Alfabetização visual: um recurso didático para estimular o pensamento crítico e criativo

Conheça o trabalho da professora Carolina Corção sobre alfabetização visual e o uso de atividades lúdicas de fotografia e de percepção visual, para desenvolver o pensamento crítico e criativo nos alunos.

Já reparou que ninguém nos ensina a “ver”? Aprendemos muitas coisas sozinhos na primeira infância, logo nas primeiras semanas nosso olho vai se desenvolvendo. Logo nossos membros começam a se mexer voluntariamente e nosso sorriso já não é reflexo, é intencional. Aprendemos a andar, a falar, e subentende-se que o “olhar” é algo natural do ser humano e dedicamos muitos anos na escola para nos alfabetizar. Porém a interpretação do que temos visualmente a nossa volta não é algo que aprendemos com devida dedicação. É necessário apurar nosso olhar, e isso requer aproximação, recuo, aprendizado sensorial e o mais importante: atenção e senso crítico.

Trabalhei por anos como designer e como fotógrafa, até criei um projeto chamado Revelando Olhares em que levo, junto de muitos voluntários, a fotografia como agente transformador para crianças de comunidades. E sempre bati nessa tecla: o que vemos não é óbvio, é sutil e polissêmico, assim como as imagens. Hoje, como professora de Fotografia e de Design, busco tratar “o olhar” como uma potente ferramenta, não só de criatividade, mas também de crítica e despertar do mundo.

Dentro do universo das imagens fotográficas, realizei uma Pesquisa de Iniciação científica com alunos de graduação do Design sobre alfabetização visual. Nessa pesquisa, buscamos explorar o maior aproveitamento do olhar, através da fotografia, que fosse possível criar ou estimular experiências que permitissem tratar do desenvolvimento do olhar, a fim de produzir conhecimento através da Alfabetização Visual, que segundo Chikaoka (2005) é uma expressão igualitária independente do grau de domínio.

Criamos uma cartilha digital com atividades lúdicas para ver, olhar e perceber, em que diversos tipos de pessoas pudessem baixar na internet e utilizar: em casa, em sala de aula, numa oficina para crianças, jovens ou idosos, ou individualmente. Foi um ano de pesquisa e desenvolvimento e outro ano de validação e melhorias do material. Realizamos oitos oficinas e ainda em sala de aula experimentei várias delas, trazendo maior efetividade e aproximação do sujeito com seu despertar visual.

A cartilha está disponível no link e pode ser baixada no computador, no celular,  impressa e compartilhada de diferentes formas. Esse material engloba uma introdução sobre o tema, e maneiras de aplicá-lo, assim como uma listagem de atividades e dinâmicas com explicação detalhada, facilitando o entendimento do leitor através da escrita e também ilustrações para auxílio visual. A cartilha recebe o nome de “Olhar, Perceber e Descobrir: um mundo novo com a fotografia,  com conteúdo dividido em três temas, como sugere o título:

  1. Olhar: atividades para aguçar o olhar, e perceber que, para ver, é preciso antes, aprender a ver.
  2. Perceber: atividades com enfoque para perceber formas, cores, texturas, contrastes de luz e sombra, composição e linguagem visual.
  3. Descobrir: atividades que buscam desenvolver a criatividade do olhar, construção de imagens e conhecer um pouco de formas analógicas de fazer fotografia.

 

São no total 18 dinâmicas, e cada uma sugere uma forma de (re)aprender a ver, propondo a cada indivíduo que enxergue além da Fotografia como técnica, utilizando-a como uma ferramenta para descobrir o seu entorno sob uma nova perspectiva, mais inventiva e mesmo mais divertida. Tanto crianças, quanto adultos e idosos podem realizá-las e em diversos contextos, em sala de aula até numa proposta de brincadeira.

Minha ideia é fazer com que esse material alcance mais pessoas a fim de desenvolverem o olhar, trazendo a tona o tema da alfabetização visual no Brasil – tema pouco discutido na educação convencional.

 

Cartilha sobre alfabetização visual: Olhar, Perceber e Descobrir: um mundo novo com a fotografia

 

Espero que goste e faça bom uso 🙂

 

Sobre Carolina Corção

Designer e Mestre em Tecnologia pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná e docente de Fotografia da Universidade Positivo. Co-fundadora do Revelando Olhares, projeto de oficinas de fotografia para crianças que tem como objetivos dar “voz” a crianças por meio da fotografia, empoderando e incentivando a reflexão, a expressão e a autoestima, promovendo a inclusão social e cultural através da descoberta de um novo olhar, mais consciente e crítico, para o mundo.